Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

querotrazerapoesiaparaarua

querotrazerapoesiaparaarua

Dias Há

cb98b77d81c7540124d8421fb6cc3fae--magritte-paintings-rené-magritte

 

Dias há

Que meço cada centímetro da casa

Com a impaciência desesperada

De animal enjaulado

Numa imbecilidade triste

De quem pode rodar a chave na fechadura

E sair

Mas sabe que leva as grades dentro de si

 

Ana Wiesenberger

04-10-2017

 

Imagem - Magritte

O Passado É Um Lastro Incómodo

DSC_0217

 

O passado é um lastro incómodo

Que atormenta o presente

Em solavancos emocionais

Que nos fazem tragar o cálice da dor

Uma e outra vez

Como ratos de labirinto massacrados

Com choques eléctricos

Nos percursos erróneos que escolhemos

Ou aceitámos vergados pela embriaguez

Do cansaço contínuo

Tantos becos sem saída

Tantas portas fechadas

 

Ana Wiesenberger

25-09-2017

 

Imagem – Jorge Pé-Curto

Se Eu Tivesse Asas

dali-landscape-with-butterflies

 

Se eu tivesse asas

E pudesse beijar a cor dos dias

Seria uma borboleta louca

A adivinhar arco-íris infinitos

Em livros bonitos para crianças

 

Mas a escuridão húmida

Só me deixa entrever

Uma frecha de luz tímida

E já me esqueci do paradeiro

Das chaves para as portas

Que o destino inventou para mim

Numa hora ébria

De benevolência inesperada

 

Ana Wiesenberger

21-08-2017

 

Imagem - Salvador Dali

Por Entre A Disparidade dos Rostos dos Dias

George Romney

 

Por entre a disparidade dos rostos dos dias

Desaprendi a coerência do rumo das horas

Perdi-me no desatino febril

De ser permanência num barco sem remos

De bússola presa a um norte inefável

Território de memórias

Fantasmas que vogam

Trespassam queixumes

Vendavais de estertores

De todas as mortes simbólicas sofridas

Num rol de percursos adiados, vendidos

Carimbados na senda rígida da segurança

Miragem de bem-estar

Cujo veneno lento

Esgota as veias ávidas de vida

E verga o sonho a um niilismo amargo

 

Ana Wiesenberger

 

Imagem – George Romney

 

Acordo Já Inquieta

The-Open-Book - Juan Gris

 

Acordo já inquieta

Os pensamentos sacodem-se em turbilhão

Encravam em saliências comezinhas abomináveis

Como se fossem pássaros numa gaiola vasta

E descobrissem no acaso dos seus voos

Os limites do espaço

 

Imagino-me programa com falhas

Fecho os olhos

Volto a abri-los

Tenho de fazer reset deste despertar

 

Segundo as previsões meteorológicas

Vamos ter sol

Debruço-me da cama

Como quem se encontrasse à janela

E procurasse ver algo lá fora

Saco um livro da pilha desordenada

Autores, épocas, idiomas, estilos distintos

E ganho consciência que o único diálogo possível

Só me acontece nesta babilónia construída

Pelo meu querer viajante

 

Acendo um cigarro

Saboreio um gole de café

E mergulho nas páginas

Como se abrisse a torneira

Para o duche matinal

Antes de encetar o dia

 

Ana Wiesenberger

24-08-2016

 

Imagem – Juan Gris

 

 

 

 

As lágrimas não esgotam a dor

Flames

 

As lágrimas não esgotam a dor

A solidariedade conforta

Mas não traz de volta

Os que nas chamas pereceram

 

As análises da situação

Serão estéreis e fúteis

Se delas não surgirem

Medidas concertadas

Para minorar um flagelo

Que anualmente destrói

O território pátrio

 

É preciso, que o povo se responsabilize

É preciso, que os governantes actuem

É urgente, exigir soluções

É urgente, gritar

Basta! Nunca Mais!

 

Ana Wiesenberger

20-06-2017

 

 

As Mães são Fadas

A34140.jpg

 

As mães são fadas

Que voam em torno de nós

Como luzes mágicas

Para afastar a escuridão

Das nossas vidas

 

As mães são abelhas incansáveis

Que nos alimentam os dias

Que nos vestem de coragem

Que nos embalam os medos

Que nos ajudam a definir trilhos

Que têm o condão de quase sempre saber

Onde nos dói, porque nos dói

E a loucura de querer encontrar

O bálsamo para todos os nossos males

 

As mães não nasceram mães

Não puderam aprender em lado nenhum

A serem mães

As mães são humanas investidas pela magia do amor

Que as transforma em fadas

Mas nem as fadas alcançam a perfeição

Todas fazem erros e sofrem por errar

A falta de formação ou o cansaço fá-las, por vezes, baralhar

 

Quando caem em si e reconhecem o desacerto

Lançam-se de novo a inventar estratagemas

Redes de segurança para nunca mais

Nos deixar cair ou magoar

E continuam em torno de nós a voar

Com as asas já amarelecidas pelos anos

Todavia, dispostas para a sua missão continuar

E ficam tristes e desiludidas

Se de nós as queremos apartar

Nem que seja para as agruras das horas, delas poupar

 

As mães são fadas

Que iluminam a nossa existência

Com o calor do sol que a vida gera e sustém

Com o calor do fogo que nos define enquanto gente

Que conjuram a escuridão para longe de nós

 

Ana Wiesenberger

07-05-2017

 

Imagem - Auguste Renoir

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Corredores, 2015

Portugal, Meu Amor, 2014

Idades, 2012

Dias Incompletos, 2011

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D