Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

querotrazerapoesiaparaarua

querotrazerapoesiaparaarua

Tensa

Tensa
Os nervos devem-se ter tornado
Arames esticados
Onde fazem malabarismos
As minhas emoções turvas
De vida

Sacudo-me como um cão molhado
Incomodado no seu pêlo habituado
Ao conforto do sofá

Também eu tenho vontade
De andar à volta à procura
Da minha cauda invisível
Num reboliço de inquietação paranóica

Levo os olhos de cá para lá
De dentro para fora da janela
Em busca de um nicho agradável
Para dar repouso à mente

A paisagem castanha de troncos nus
E tapete de folhas caídas
Só acorda em mim, ecos de despedida
Do Verão que já não há

De repente, quando já as minhas mãos
Queriam cerrar as cortinas
Eis que surge um vulto fulvo mágico
Que vem pousar no muro do jardim

E então, acontece-me de novo sorrir
Ao vê-lo deliciar-se com as sementes de girassol
Por nós espalhadas
Convite para Brunch dos que têm asas
Aceite por um esquilo amoroso

Ana Wiesenberger
06-12-2012

Imagem - Albrecht Dürer

Abrecht Dürer

Drifting

Drifting

Este barco não tem remos
Deitei-os fora
Borda fora, como tudo o mais
Os mantimentos
A água doce
As bóias
Não, os livros, nunca
Esses ficarão comigo
E os cadernos e as canetas também

Às fotografias nunca dei importância
São mentirosas
Já estava cá, antes de vir
Estarei aqui, depois de partir

Ana Wiesenberger
25-10-2004
The Lady of Shallott - John William Waterhouse

Príncipe Encantado

Príncipe Encantado

Sempre soube de cor
Como ele seria

Não viria até mim
Montado num alazão digno de alta caudelaria,
Mas podia surgir
Numa moto de alta cilindrada,
Ao volante de um jipe verde sem capota,
Daqueles, que já fizeram muitas milhas e quilómetros

Seria alto e bem constituído,
De ombros largos e expressivo
A convidar-me a mergulhar
Na profundidade verde ou azul do seu olhar

Saberia muito de moléculas e células,
De animais, de plantas e de doenças
E gostaria de dormir ao ar livre, em tendas,
Em qualquer latitude


Saberia contar-me histórias e estórias
E eu nunca me cansaria de o escutar

Faríamos muitas viagens,
Mas, também, teríamos um lar, algures
Com baloiço no alpendre e serenidade
Ao tombar do dia

Talvez, também, tocasse piano ou violino
Para nos encher a casa de beleza,
Mas nunca perderia um minuto
A ver jogos de futebol, em frente à televisão
Teríamos filhos ou não,
Bichinhos, esses, sim, com certeza
E nunca teríamos medo de esbanjar tempo
Para nos encontrarmos
Numa tela de principiante,
Num bordado simples,
Numa melodia
Ou num poema

Ana Wiesenberger (in IDADES)
 Imagem de Marc Chagall

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Corredores, 2015

Portugal, Meu Amor, 2014

Idades, 2012

Dias Incompletos, 2011

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D