Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

querotrazerapoesiaparaarua

querotrazerapoesiaparaarua

A Chuva Copiosa Bate Na Minha Janela

Oskar Kokoschka

A chuva copiosa bate na minha janela
E desata deste lado da vidraça
Uma explosão de desejos
Surgem piqueniques de livros
Saltam as tampas das caixas dos bombons
O radio assalta-me com um trecho da Flauta Mágica
E a gravura a lápis de cor de Kokoschka
Liberta os cantores imprevistos na minha sala

Foi-se a vontade de trabalhar
Subiu no ar uma fragrância hilariante
Que anima em mim resquícios de Alice à hora do chá
Na deliciosa companhia do Coelho e do Chapeleiro Louco

E depois ela pára subitamente
Sai da minha cabeça para ficar só lá fora e ser chuva trivial
E eu volto à quietude do meu espaço com olhos de Dorothy
De regresso ao Kansas
A tentar convencer-me que a magia está dentro de nós
E podemos sempre procurar o caminho para Oz
Quando sentirmos a pequenez sufocante do nosso quintal
Vedar a nossa alegria de sermos pássaros coloridos

Ana Wiesenberger
27-05-2014

Imagem - Oskar Kokoschka

O Pássaro

Jacek Yerka

O pássaro
A quem se jura amar
Por lhe proporcionar uma gaiola imensa
Também testa com a dor das suas asas cortadas
Os limites da sua pretensa liberdade

Canta. Não canta
Come. Não come
Inquieta-se como se o gato
Que não vê, já o tivesse devorado
Como se habitasse o interior desse gato medonho
Que o engoliu inteiro
E não lhe deu o tempo necessário
Para perceber que estava morto

O pássaro
Muda de poleiro
Para cima, para baixo
Pára. Escuta o silêncio
Será silêncio ou um rumorejar de algo
Que não conhece
Talvez as batidas apressadas do seu coração
Que afinal não morreu
Que afinal ainda amanhece transparências húmidas
Nas árvores que nunca viu
Nem sentiu
Ou serão remoinhos de sonhos emprestados
Que alguém depositou na sua gaiola amortalhada
E esquecida
Como uma folha de Outono
Abandonada num trilho distante
Do parque ameno
Onde as famílias fazem que conversam
E julgam que são felizes

Ana Wiesenberger
26-05-2014

Imagem - Jacek Yerka

Intimidades

Marc Chagall

Intimidades

 

Eu quero que tu queiras

O que eu quero

Tu queres que eu saiba

O que tu queres

E aborrece-te que eu te queira levar

Onde eu quero sem tu quereres

 

Eu sei que tu não sabes, não conheces

Tudo o que podes querer

Por isso, agarro na tua mão

E levo-te para diante do que tu queres

Onde eu sei, que tu também podes querer ir

Sem saberes, que queres ir

 

Mas por vezes, inquietas-te e sacodes a minha mão

Porque não queres sair do dentro de ti que conheces

Para ir à procura do que ainda não sabes

Que também queres, ou podes vir a querer

Se te atreveres a ir mais além

 

E eu fico triste e contrariada, quando tu não queres

Por não ter companhia na caminhada

E por saber de cor o fio dos dias

E o da minha vontade férrea

Que voltará a puxar-te, a empurrar-te para te levar

A muitos outros quereres

Numa encarnação singular e absurda de Sísifo

 

Ana Wiesenberger

08-05-2014

 

Imagem- Marc Chagall

Foi à Cozinha

Pedro César Teles

Foi à cozinha
Abriu a gaveta dos talheres
E colheu a sua faca preferida

Ligou a música na sala
Sentou-se e aproximou o gume perfeito
Da epiderme suave do seu pulso
Fê-lo deslizar por um instante
E viu o fiozinho de vermelho vivo
Assomar-se tímido
Uma janela ínfima no moreno da carne

Depois ergueu-se, já na convicção firme
Da descoberta dos seus desejos íntimos
Há muito baralhados
Dirigiu-se ao escritório dele
Deparou-se com a ordem das estantes;
Décadas e décadas de música catalogada
Um rigor de cientista coleccionador de órgãos
Amostragens de patologias organizadas
Ao longo de uma vida de dedicação e esmero

Respirou fundo e lançou-se ao trabalho
Passou a noite a abrir as caixas dos CDS
E a desenhar com a faca metódica
Um Z que lhe apareceu natural e espontaneamente
Como se bramisse a espada de Don Diego de La Vega
Numa promessa de justiça cumprida

Antes de fechar a porta, pousou os olhos no jornal dobrado
E achou por bem, deixar-lhe um sinal
Um prenúncio de inquietação - um aceno breve
E enterrou nele a faca copiosamente
Até o transformar numa saia de tirinhas de letras
Que uma criança poderia querer usar
Para se divertir com os amigos
Num dia de Carnaval

Ana Wiesenberger
20-05-2014

Imagem - Pedro César Teles

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Corredores, 2015

Portugal, Meu Amor, 2014

Idades, 2012

Dias Incompletos, 2011

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D