Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

querotrazerapoesiaparaarua

querotrazerapoesiaparaarua

A escrita exige

A escrita exige
Consome
Sacia
Abre janelas
Desenha nuvens
Aquece
Estremece
Enlouquece

Porém, se dela fugimos
Por medo ou cansaço
Castiga-nos com arremessos de silêncio
Esmaga-nos com piruetas de sílabas
Teatro de sombras chinesas
A assombrar o nosso cérebro inseguro

Rastejamos, então, humildes
Escravos vencidos a mendigar o perdão
As boas graças que nos devolvam o verbo
A capacidade de respirar estrofes
Parágrafos sempre imperfeitos
Escritos com a tinta das nossas veias
A galgar o muro branco da página

Ana Wiesenberger
21-05-2019

Nestes Tempos Sem Rei Nem Roque

Arturo Souto

Nestes tempos sem Rei nem Roque
Já nem a quem se quer bem se acode
E só se vive bem
A mostrar o que se não tem

De resto, se calhar foi sempre assim
Mas agora com tantas redes sem fim
Descobrem-se em janelas sempre abertas
Que há muitos e muitas parvas espertas

A interioridade dilui-se na aparência
E a verdade das coisas é uma inconveniência
Ninguém tem vontade de ver o outro descomposto
Se só das uvas se louva e aprecia o mosto

E por isso, muito se vê, não obstante o pouco que se faz
As tintas da individualidade são lavadas com aguarrás
E se alguém tem o despropósito da mediocridade denunciar
Torna-se indesejável porque à vida não sabe reinar

 

Ana Wiesenberger
08-01-2019

 

Imagem – Arturo Souto

 

Eles são tantos

Eles são tantos
E tão poucos
Os silêncios que me abafam
A vontade de ser Sol e Lua
Tarde e Noite
Verão entrelaçado da invernia mais glacial
Alguma vez vivida

Eles são tantos
E tão poucos
Os dias assimilados no calendário
Com uma fome frutífera

Eles são tantos
E tão poucos
Os anos que por nós deslizam
Sem vermos
E os outros que ainda virão
Estradas bifurcadas, estranguladas
Entre o que foi e poderia ter sido
Iluminadas por um letreiro em que o Porvir
É uma estreia sempre adiada
Pelo presente que não conseguimos construir

Ana Wiesenberger
10-11-2018

Imagem – Salvador Dali

rose-meditative Salvador Dali

 

 

Há Cavalos a Galopar no Meu Peito

Franz_Marc

Há cavalos a galopar no meu peito

Quando desligo a luz para adormecer o dia

 

O tropel dos cascos marca a compasso louco

O peso das nuvens que me cercam as horas

A tirania da ausência que desfaz a alma

Com a precisão fria de um talhante

A preparar carne picada para o almoço lento

Dos que não se sentem assassinos

 

Ana Wiesenberger

06-11-2018

 

Imagem – Franz Marc

 

Talvez sejamos apenas momentos

Henri Matisse - Olhos Azuis

 

Talvez sejamos apenas momentos

Partículas do real visíveis

No tempo útil de aparecer

Para depois nos convertermos

Em ausência e esquecimento

Expoentes do Não-Ser

 

Talvez essa seja a nossa condição

Efémeros luminosos como pirilampos

Irremediavelmente em busca do outro

Ébrios da ilusão de juntos fazer sentido

 

Ana Wiesenberger

01-09-2018

 

Imagem – Henri Matisse

 

 

 

O Tempo dentro de nós é um fluir constante

Magritte 1

O tempo dentro de nós é um fluir constante

Onde o passado vive de mãos dadas com o devir

E se não logra furar o filtro da memória consentida

Assalta-nos em sonhos transpondo o muro frágil que erguemos

Para nos defendermos da dor de sentir o que foi e já não será

 

O sono levou-me a noite passada aos corredores da escola

O mundo de tinta, papel e crescimento onde eu era feliz

Fiz revisões dos verbos no passado numa turma

Fui buscar os testes para a seguinte à reprografia

O passo sempre apressado, os minutos sempre calculados

A vontade convicta a tecer malabarismos para afastar os escolhos

 

Noutra esquina onírica deambulei pelas ruas a gritar: Becky! Becky!

E a alegria de vê-la, de encontrá-la, depois de se ter perdido de mim

Foi tão forte que me devolveu à realidade e deixou na chávena de café

O travo amargo de uma saudade irremediável

 

Ana Wiesenberger

01-08-2018

 

Imagem – René Magritte

Dos Laços Nascem Os Abraços

Burton Silverman

Dos laços nascem os abraços

Ou será, que os braços pedem laços

Por estarem cansados de ser baços

E querem cor para os seus passos

 

Os laços são borboletas coloridas

Que pousam na cabeça das meninas

Como premonições do que há-de vir

Laços que os seus braços hão-de pedir

Sem revelar os outros em que irão cair

 

Dos laços, só há que temer o abraço

Quando o nó em vez de lasso

Sufoca e derrota o teu passo

E destrói a tua vontade de viver no paço

 

Ana Wiesenberger

03-07-2018

 

Imagem – Burton Silverman

 

 

Há pessoas barco

Morgan Russell 3

Há pessoas barco

Pessoas cesto

Pessoas quadro

Pessoas movimento

Inacção

Fuga ou permanência

 

Pessoas faca

Pessoas garfo

Pessoas sombra

E pessoas muro

 

Numas partimos

Noutras perdemo-nos

Somos engolidos

Num momento de loucura

Ou desatenção fatal

 

Ser

Não ser

Ser ainda

Querer ser

Não conseguir ser

 

Estátua

Meteorito

Pêndulo

Remoinho de luz

Farpa na escuridão

 

 

Ana Wiesenberger

24-04-2018

 

Imagem – Morgan Russell

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Corredores, 2015

Portugal, Meu Amor, 2014

Idades, 2012

Dias Incompletos, 2011

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D