Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

querotrazerapoesiaparaarua

querotrazerapoesiaparaarua

Há pessoas barco

Morgan Russell 3

Há pessoas barco

Pessoas cesto

Pessoas quadro

Pessoas movimento

Inacção

Fuga ou permanência

 

Pessoas faca

Pessoas garfo

Pessoas sombra

E pessoas muro

 

Numas partimos

Noutras perdemo-nos

Somos engolidos

Num momento de loucura

Ou desatenção fatal

 

Ser

Não ser

Ser ainda

Querer ser

Não conseguir ser

 

Estátua

Meteorito

Pêndulo

Remoinho de luz

Farpa na escuridão

 

 

Ana Wiesenberger

24-04-2018

 

Imagem – Morgan Russell

 

 

Se Eu Fosse Um Polvo

Gisela Hammer - Masken Ball

 

Se eu fosse um polvo
Tinha muitos pés para secar
Depois do banho

 

Se eu fosse um pato
Escondia-me por entre o mato
Junto ao lago
E fazia um quá quá estridente
E inesperado
Para assustar no banco, os namorados

 

Se eu fosse um ganso selvagem
Fazia muitos voos nocturnos
Com escalas intercaladas em lugares interessantes
E mesclava a quietude da noite
Com o grito do meu bando

 

Se eu fosse um gato
Perseguia os passarinhos com o meu olhar intenso
E abria as garras a tempo de os apanhar
Só para me divertir
Ou para os devorar
Se o meu estômago estivesse vazio
E não houvesse prato de comida à minha espera
Num canto da cozinha

 

Se eu fosse um cão
Fazia um sonoro ão ão
Para a vizinhança da presença de um estranho alertar
E conhecia as pessoas boas e más pelo meu nariz astuto
Sem precisar de indicadores filosóficos ou políticos

 

Se eu fosse um lobo
Era dono das florestas e tinha um covil inacessível nas montanhas
Onde aguardava ansioso que a neve me cobrisse de encanto e magia
Para me confundir com a paisagem

 

Se eu fosse, se eu fosse
Quem dera sempre ser
O que se não é
Para aprender a ser
O que realmente se é

 

Ana Wiesenberger
25-10-2015

Imagem - Gisela Hammer

No País das Histórias de Encantar

db_Marina_puzyreva1

Estava cansada e fui até ao país das Histórias de Encantar
Mas saí de lá ainda mais desencantada
A Bela Adormecida queixa-se de insónias constantes
Enquanto o seu belo Príncipe de outrora
Faz ecoar os seus roncos expressivos por todo o palácio

 

Ela, que até, se tinha congratulado
Com a sorte de ser estéril
Lamenta agora o vazio dos seus dias
Se tivesse tido prole
Poderia entreter-se a dar colo aos netos
E a correr as tendas dos artesãos
Em busca de brinquedos perfeitos

 

A beleza, ainda a conservara muito tempo
Mas depois, a anorexia deu lugar à bulimia
E arruinou a linha esbelta da sua figura

 

Na porta ao lado, a cena não era mais animadora
A Gata Borralheira sofre paciente e triste
As artroses e as poliartralgias
Herança das sevícias domésticas da madrasta
Que longos anos perduraram

 

Continua meiga e afável com todos
Queixa-se ao de leve da viuvez
E da vida atarefada dos filhos gémeos
Que trabalham na Wall Street da Avenida das Fadas

 

Quando a saúde lhe permite, dá festas de caridade
Ajuda órfãos e viúvas carenciadas
Inaugurou há pouco uma Associação de Protecção Animal
Nuns hectares baldios de que não precisava
Coitadinha, ainda me deu um frasco de geleia e biscoitos caseiros
Antes de eu franquear a porta de saída

 

A Alice sofre de neurastenia grave
E da esquizofrenia, que já na infância se tornara evidente
Todos os dias manda abrir buracos no chão do jardim
Quer regressar ao País das Maravilhas que nunca devia ter abandonado
Mas não se lembra onde era o túnel da entrada
Todos sabem, que não há nada a fazer
Os físicos mais célebres e afamados dos quatro cantos do mundo
Vêm vê-la a pedido da família, mas não a conseguem tratar

 


O Patinho Feio, que afinal era um cisne
Não aguentou os traumas de criança
E é um alcoólico desesperado
Sempre com o olhar no vazio
A balbuciar por entre os dias
Que ninguém o entende
Antes ou depois de meter o bico na garrafa

 

O Gato das Botas, então
Deixou-me dilacerada
A gangrena instalou-se lhe há muito nas pernas
Mas ele teima em viver assim até ao fim
E a carne vai-lhe morrendo gradualmente sob o pêlo
Enquanto ele delira sobre os seus feitos de outrora

 

Hansel e Gretel estão bem
Pelo menos, um com o outro
A comunidade não aceita a relação incestuosa
Mas eles pareceram-me muito satisfeitos
E vi-os sorrir, cúmplices
Ao mostrarem-me a campa dos pais nas traseiras

 

Foram extremamente simpáticos
E nem me queriam deixar partir
Todavia, rebentaram em mim, ecos de psicologia
Aos solavancos
E ao apanhar o fio transversal das relações de causalidade
Entre vítimas e agressores
Julguei por avisado, afastar-me dali
Antes que eles me começassem a encher a pança com assados
Doces e iguarias mais

 

Ana Wiesenberger  (in Corredores)
13-06-2012

Imagem - Marina Puzyreva

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Corredores, 2015

Portugal, Meu Amor, 2014

Idades, 2012

Dias Incompletos, 2011

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D